BIRDS ARE INDIE | Migrations - the travel diaries | CD | 2020
BIRDS ARE INDIE | Migrations - the travel diaries | CD | 2020 | BAI10
BIRDS ARE INDIE | Migrations - the travel diaries | CD | 2020 | BAI10
BIRDS ARE INDIE | Migrations - the travel diaries | CD | 2020 | BAI10

BIRDS ARE INDIE | Migrations - the travel diaries | CD | 2020 | BAI10

Editora
Lux Records
Preço normal
€12,00
Preço de saldo
€12,00
Preço normal
Esgotado
Preço unitário
por 
Imposto incluído. Envio calculado na finalização da compra.

 BIRDS ARE INDIE 
Migrations - the travel diaries

01 - Black (or the art of letting go)
02 - Needless to say
03 - I won't take it anymore
04 - Time to make amends
05 - The senior dancer
06 - We're not coming down
07 - Instead of watching telly
08 - Something about the way she smiles
09 - If only
10 - The place

Músicas e Letras:
Birds are Indie


Ricardo Jerónimo: voz, guitarra acústica, guitarra eléctrica, teclado
Joana Corker: voz, teclado, bateria
Henrique Toscano: guitarra eléctrica, bateria

Convidados:
Jorri: baixo em todas as faixas e teclado nas faixas 1, 2, 7 e 10

Gravação e Produção:
Henrique Toscano
João Silva

Mistura e Masterização:
João Rui

Artwork e Design:
Joana Corker

LUXCD048
Lux Records - 2020

 



Os Birds Are Indie assinalam o seu 10º aniversário com o lançamento de “Migrations - The travel diaries #1”. É conhecida e vincada a geografia musical deste trio de Coimbra: o seu ninho foi construído em forma de bedroom pop, com a folk pelo meio, numa postura DIY minimalista, própria dos primeiros voos, tal como aconteceu com Belle and Sebastian, Yo La Tengo, Moldy Peaches ou Juan Wauters. Com o tempo, as asas da sua pop foram crescendo e aproximaram-se do rock que lhes foi ensinado por nomes como Lou Reed, Dean Wareham, Black Francis e Stephen Malkmus. Em “Migrations” está muito presente a ideia de ida e regresso, seja porque o disco vagueia entre diferentes períodos na vida musical e pessoal de Ricardo Jerónimo, Joana Corker e Henrique Toscano, seja porque o mote para as letras que o compõem é a sua própria inquietude, ora desamparada, ora desafiante. No fundo, quem vive entre o aqui e o ali, prefere é estar além, como a mestria de Variações tão bem sintetizou. E assim, entre começos e (a)fins, 10 anos depois, inicia-se mais uma viagem...