SENHOR DOUTOR

FACEBOOK INSTAGRAM SPOTIFY YOUTUBE E-MAIL


Com o fantasma do sentimento de pertencer a outro lugar, veste fados, bossas e outros roques com um dandismo de roulote e nódoas na jaqueta. Com chapiscos de um western pop rock enviesado, canta quem quer parecer, fazendo relatos dos mais típicos males da vida, ao ritmo de um burlesco optimismo. Com letras que pretendem arrancar sorrisos, dúvidas e, se possível, alguma vergonha maquilhada, salpica as suas palavras com um pop-folk harmoniosamente envenenado. O seu nome? Esse não interessa... Apenas exige que o tratem por Senhor Doutor!

Após ter lançado o primeiro EP, em nome próprio, em Outubro de 2018, Senhor Doutor prepara o lançamento do seu primeiro “longa duração”, intitulado «O Amor é sempre a mesma coisa».

Com um punhado de canções que nos trazem estórias de romance, viradas para todos os flancos, menos para os que realmente interessam, “O Amor é sempre a mesma coisa” promete ser uma flecha do cupido com a subtileza de uma pedra da calçada arremessada.

LOJA / DISCOGRAFIA

 

“Senhor Doutor é nome próprio de uma força maior musical que se apoderou de um ser com nome de baptismo Jorge Ferreira (Senhor Doutor, Pinto Ferreira, The Guys From The Caravan). Nascido e criado no meio da sobrevivência questionável, aos pré-quarentas (respeitemos este lado sensível de assumir que é quase um belo quarentão), este Senhor Doutor (que se diz vestido por Jorge Ferreira, mas cremos que o Ferreira já pouco opina quando abduzido pelo excelentíssimo Senhor Doutor) vive no sentimento fantasma de pertencer sempre a outro lugar, que por fatalidade nunca irá ocupar.”
Sara Quaresma Capitão, MUTANTE

“O primeiro single, «Miguel», assinalava já a deambulação de um doutor que veste fados, bossas e outros roques com um dandismo de rulote e nódoas na jaqueta. Com o Ep chega-nos o tema que conta a história daquela manhã, Quarta-feira; o segundo single, momento a partir do qual as semanas ficaram amaldiçoadas pela passagem daquela inquietante e, algo irritante beleza, que religiosamente passava ali, aquele dia, àquela hora. O EP confirma-nos a nostalgia de um Senhor Doutor que se mantém convicto de que um dos seus muitos esquemas, um dia, levará a fortuna e o glamour a bater à sua porta, finalmente. A sua pele do «Chico Esperto» desmedido, da verdadeira «fina flor do entulho» dá a cara pela máxima do «antes parecer que ser», ao mesmo tempo que reveste quem não sabe redimensionar-se aos circuitos que almeja habitar, nem notar a sua própria atitude desproporcionada.”
GLAM MAGAZINE

“Entre a estória boémia de «Miguel», a malfadada sorte de uma «Dama de Honor» que, na sombra, não passa da personagem secundária de um dia de folia, e a sorte furada que é a paixão surgir a uma «Quarta-feira», meio da semana de trabalho e, portanto, um dia péssimo para se andar distraído com romances, vamos andando pelas canções deste EP, a conhecer as personagens e as desventuras destes relatos dos mais típicos males da vida, ao ritmo de um burlesco optimismo. Sem nunca esquecer o «Simão» que antecede o «Miguel».”
Sara Quaresma Capitão, MUTANTE